Em Itupeva, utilização de brinquedo terapêutico no eletrocardiograma infantil humaniza atendimento

Notícias

Fazer um exame de eletrocardiograma pode ser simples para um adulto. Mas, para crianças, o medo pode surgir e atrapalhar os resultados com a inquietação das crianças. Para amenizar essa situação, uma iniciativa tem chamado a atenção em Itupeva. A enfermeira Nathany Scandolera, do Centro de Diagnóstico, passou a utilizar alternativas nesse atendimento.

“Aqui no Centro de Diagnóstico temos muitas crianças que fazem o eletrocardiograma e percebi que ficavam com medo em relação ao procedimento. Decidi então começar a utilizar o brinquedo terapêutico, que tem como objetivo trazer um bem-estar psicofisiológico”, explicou Nathany.

Assim que a criança e o responsável chegam à sala do eletrocardiograma já é possível perceber uma familiarização do ambiente: músicas infantis tocam no espaço. A partir daí, entra em ação a boneca Nina.

Uma das pacientes a usar dessa nova metodologia foi Alice Soares da Silva, de apenas três anos. A mãe, Talita de Oliveira Soares Silva comentou sobre a importância desse atendimento. “Tenho certeza que se não tivesse essa boneca aqui hoje, a Alice ficaria muito nervosa e talvez a gente não conseguiria fazer. Acho muito legal esse tipo de atendimento e também agradeço à enfermeira pela atenção”.

Com diversos eletrodos colados ao tecido que forma a roupa da boneca, a própria criança simula um eletrocardiograma no brinquedo. “Tudo tem como objetivo que a criança entenda o processo e enfrente o medo do exame. Tem sido muito positivo”, finalizou a enfermeira.